Início Jornalismo Notícias Ensino privado projeta queda de matrículas no segundo semestre no RS

Ensino privado projeta queda de matrículas no segundo semestre no RS

199
0
Foto: Haneen Krimly/Unsplash/Ilustrativa

O setor privado de ensino do Rio Grande do Sul se vê diante de dois grandes desafios neste momento: manter as atividades do atual semestre e ano letivos e projetar um cenário de menos alunos daqui para a frente. O entendimento é comum entre sindicatos do setor, como o SINEPE-RS (Sindicato do Ensino Privado) e o Sindiman (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Instituições Comunitárias de Educação Superior no Estado do RS). Como a pandemia afetou o ensino com o ano letivo e o primeiro semestre já em andamento, a expectativa fica pelo cenário a partir de agosto, no caso das universidades, e de 2021, para as escolas.

Na avaliação de Bruno Eizerik, presidente do SINEPE, as escolas privadas que atuam até o ensino básico poderão sentir mais fortemente os efeitos da crise da Covid-19 principalmente no ano que vem, dado que os contratos são feitos por ano. Já no ensino superior, isso será visto já em agosto. “Vendo as perspectivas para o segundo semestre, se mantiverem o número de alunos já é algo a ser comemorado, mas não acho que vai acontecer”, projeta em relação ao ensino superior.

O professor Oto Moerschbaecher, presidente do Sindiman, ainda pondera que, pela característica dos contratos nas universidades gaúchas, de contratação de disciplinas/créditos e não de um pacote fechado, mesmo que não se “perca” o aluno, ele poderá reduzir os créditos. “Talvez não iremos perder o aluno, mas se ele fazia quatro ou cinco disciplinas vai fazer uma. Muitos dos alunos são profissionais liberais, afetados diretamente pela pandemia”, pondera.

O SINEPE representa 500 instituições de ensino privado no estado, entre educação básica e superior. Segundo Eizerik, 97% delas mantiveram as atividades junto aos alunos. Quanto à inadimplência, a educação infantil e o ensino superior foram os que mais sentiram, segundo ele, até o momento. Enquanto nos últimos anos era percebido um crescimento no número de matrículas da educação básica superior, o cenário, pontua Eizerik, indica possível queda em 2021.

Já nas universidades comunitárias, Moerschbaecher destaca que todas as associadas ao Sindiman mantiveram suas aulas síncronas por vídeo, ou seja, aulas por vídeo com professores no mesmo dia e horário das aulas presenciais e com a mesma duração. Para ele, a diferença desse sistema para o EAD se dá exatamente nisso, pois, pelo sistema já tradicional de educação à distância, segundo Moerschbaecher, o que há geralmente é a disponibilização de conteúdos num sistema e um tutor para sanar dúvidas que poderão ser enviadas. O sindicato congrega 14 universidades comunitárias gaúchas, entre elas a PUCRS, Unisinos, Univates, Unisc, Unijuí, UCPel, UCS, UPF e Urcamp.

De acordo com o presidente do SINEPE, o ensino superior privado estava apostando no início de uma recuperação em 2020, ante a queda no número de matrículas pelo menos nos últimos cinco anos. Um dos principais fatores que culminou com a redução do número de alunos nas instituições privadas de ensino superior foram as novas regras do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil do Ensino Superior).

“Os últimos governos criaram condições para o Fies tornando-o inviável”, destaca Eizerik. Uma delas, segundo ele, é a previsão de que se os alunos não quitarem o financiamento isso deverá ser feito pelas instituições de ensino. As principais mudanças no Fies foram feitas em 2007 e 2010, ainda na gestão Lula, o que incrementou de maneira considerável o número de alunos no ensino privado superior.

“Com o Fies houve uma explosão no número de alunos e as instituições tiveram que aumentar a sua estrutura para atender a demanda. Mas agora os alunos foram embora e não se pode desmanchar essa estrutura assim”, comenta Oto Moerschbaecher, presidente do Sindiman, que atua como pró-reitor Administrativo da Univates, em Lajeado. Para ele, a estagnação da economia, a partir de 2015, também impacta o setor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui